Gráficos 5: Plano de carreira, evolução das faixas salariais e distribuição salarial atual da USP (junho/2014)

Um dos principais argumentos usados pela atual gestão da reitoria da USP é aquele de que o crescimento dos gastos com folha de pagamentos, causado pelo plano de carreira de servidores técnicos e administrativos implantado pela gestão anterior, levou a USP à insustentabilidade.

Para reagir à situação atual de mais de 100% do orçamento comprometido apenas com esse tipo de gasto, o atual reitor anunciou, antes das negociações com as entidades sindicais, um reajuste salarial zero para docentes e demais servidores, o que, na prática, significaria a diminuição do valor real dos salários, que não seriam corrigidos nem pela inflação acumulada no ano.

Cabe ressaltar, porém, que a medida foi direcionada tanto a servidores técnicos e administrativos quanto a docentes, apesar de que os últimos não tenham entrado num novo plano de carreira ou recebido um aumento salarial substancial durante a gestão anterior. Aliás, alguns docentes até argumentam que muitos servidores estariam, inclusive, recebendo salários superiores aos seus próprios.

O post de hoje tem o objetivo de levantar informações sobre salários para avaliar três fatores: (1) será verdade que o plano de carreira criado pela gestão anterior para servidores técnicos e administrativos representou um aumento substantivo nos salários dessa categoria? (2) Em termos de faixas salariais possíveis aos servidores, qual foi a evolução comparativamente às faixas possíveis aos docentes? (3) Qual é a atual distribuição salarial da USP ou, noutras palavras, quanto ganham um servidor de carreira e um docente hoje?

Assim, pretendemos desmistificar um pouco a discussão sobre salários, confirmando e refutando algumas hipóteses que têm surgido ultimamente, sobretudo com o anúncio de uma nova proposta de reajuste salarial na última semana.

 

  • Plano de carreira

O novo plano de carreira, implantado na gestão anterior da reitoria, foi proposto em dezembro de 2010 e aprovado em maio de 2011. O principal objetivo desse plano era, aliado a um aumento das faixas salariais possíveis aos servidores e um aumento no valor do salário básico de todas as faixas, recompensar o bom desempenho com bônus que seriam incorporados ao salário principal.

Esse plano abriu uma possibilidade muito maior de mobilidade horizontal e vertical (no interior de uma mesma carreira, uma vez que não é possível que um servidor suba do nível básico para o técnico ou do técnico para o superior sem a realização de concurso público, como prevê a legislação) na carreira dos servidores, com diferentes níveis, mediante a avaliação de desempenho pelos chefes de departamento com base em diferentes critérios.

Nos primeiros posts, já demonstramos que o valor agregado do gasto com pessoal na USP subiu muito a partir de 2011. O próximo passo é avaliar mais a fundo como isso funcionou.

 

  • Evolução das faixas salariais

Infelizmente, a USP não teve sempre o hábito de divulgar dados desagregados de gastos salariais. Em seus anuários estatísticos, por exemplo, não constava o número de servidores que pertencia a cada faixa salarial de cada categoria. Assim, é muito difícil acompanhar a evolução dos gastos reais com cada subgrupo.

No entanto, os dados disponibilizados ao público pelo Departamento de Recursos Humanos (clique aqui) permitem avaliar quais eram as faixas salariais existentes desde 1998, a partir das quais podemos responder a uma pergunta: é verdade que muitos funcionários ganham mais que um professor? Fizemos o seguinte exercício: para cada ano com dados disponíveis, pegamos as dezenas de faixas salariais possíveis dos servidores e calculamos qual proporção delas ficava acima do salário de um professor doutor ingressante na carreira (para quem consultou os dados diretamente na fonte, a carreira é a Prof. Dr. 1 – MS 3.1). O resultado é apresentado pela figura abaixo.

graf501
Fonte: Elaborado a partir de Tabelas de Remuneração DRH-VREA, USP, 1998 a 2014.

 

Esse gráfico permite observar que, de fato, o plano de carreira implantado entre 2010 e 2011 fez com que houvesse uma forte aproximação dos salários possíveis dos funcionários em relação ao salário de um professor doutor ingressante. Antes do novo plano de carreira, cerca de 5% de faixas salariais possíveis aos servidores técnicos e administrativos eram maiores do que os salários de um professor doutor ingressante.

Depois do novo plano de carreira, essa proporção subiu para 32% das faixas salariais possíveis aos servidores, caindo em seguida para cerca de 25% – cinco vezes mais do que antes de 2011. Todavia, é preciso cuidado ao interpretar essa figura: ela apresenta as faixas salariais possíveis a um servidor que progrida na carreira ao longo do tempo, e não mostra o número de servidores que efetivamente se encontravam em cada faixa.

Portanto, respondendo à pergunta: é fato que os servidores obtiveram muito mais possibilidades de receber um salário superior ao de um professor doutor ingressante na carreira a partir de 2011, mas ainda não conseguimos responder quantos servidores efetivamente estavam nessa condição em todos os anos da série.

Mas nós conseguimos falar sobre o período atual. O Portal da Transparência da USP disponibiliza o número de docentes e servidores técnicos e administrativos que estão em cada faixa e nível salarial, por categoria, em junho de 2014 (clique aqui). Por isso, prosseguindo o exercício, fomos um pouco mais a fundo e constatamos o que mostra a figura abaixo.

 

 

graf502
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

 

Hoje, o salário médio dos 17.221 servidores técnicos e administrativos da USP que trabalham em período integral é de aproximadamente R$ 5.930 – 44% deles recebem mais de R$ 6 mil por mês. Aproximadamente 15% recebem um salário bruto maior do que aquele recebido por um professor doutor ingressante na carreira. Não sabemos qual era essa proporção nos anos anteriores, e até aqui ainda não observamos em que nível (básico, técnico ou superior) esses servidores se encontram – isso será examinado mais à frente. Se a referência for o salário médio recebido pela população paulista que, conforme o IBGE, recebe em média 3,8 salários mínimos (R$ 2.751,20, considerando o salário mínimo atual de R$ 724), verificamos que cerca de 90% dos funcionários da USP têm rendimento superior à média da população do Estado.

Entretanto, mais uma vez, alertamos: cuidado. É óbvio que somente essas informações não permitem, sozinhas, avaliar profundamente a situação financeira da universidade, e muito menos devem servir para atribuir culpa a alguém – em especial, essas informações não devem servir para demonizar o servidor público da USP. É fato que essa categoria recebe salários brutos muito superiores à média populacional paulista, mas isso deve ser contextualizado em torno de todo o histórico de valorização da universidade e das categorias profissionais a ela dedicadas: não causa estranheza o fato de a USP oferecer carreiras prestigiosas, uma vez que ocupa posição de liderança acadêmica e conta com um aporte de recursos muito superior aos de outras universidades públicas do País. A leitura mais prudente, talvez, seja a de que o crescimento salarial recente na USP foi proporcionalmente maior para servidores técnicos e administrativos do que para docentes, embora o prejuízo imposto pela sugestão de um reajuste zero em 2014 fosse prejudicar igualmente as duas categorias.

Porém, ainda falta algo: nós falamos sobre o aumento desproporcional dos salários entre as duas categorias, mas ainda não mostramos quanto eles recebem. Além disso, docentes e servidores possuem planos de carreira diversificados, com diferentes níveis e faixas, e não mostramos quantas pessoas se encaixam em cada uma. Quanto recebe um docente da USP hoje? Quantos são os servidores de nível básico, técnico e superior? O salário de um professor titular e de um doutor são muito diferentes? Também fizemos esse exercício, como é mostrado a seguir.

 

  • A distribuição salarial na USP hoje

Como já mencionado, os dados disponibilizados pela USP permitem quantificar exatamente quantos docentes e servidores técnicos e administrativos encontram-se em cada nível e faixa salarial em junho de 2014. Com essa informação, pudemos avaliar a famigerada distribuição salarial da USP: se 15% dos servidores recebem mais que um professor doutor ingressante na carreira, qual é esse grupo de servidores? Quanto recebe um professor doutor, associado e titular? Ou, muito antes, quantos servidores e docentes se enquadram em cada nível e faixa salarial? A figura abaixo responde a essa última pergunta.

graf53
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

Atualmente, a USP possui 17.439 servidores técnicos e administrativos, que se dividem entre 17.221 que trabalham em período integral e outros 218 que trabalham em período parcial (20 ou 30 horas semanais) e recebem salários proporcionais à sua jornada. A maior parte dos servidores – 8.093 – são de nível técnico, seguidos por 5.141 de nível básico e 4.203 de nível superior. A categoria “outros” inclui 2 servidores em níveis que já não existem no atual plano de carreiras. Já entre os docentes, que totalizam 6.192, a grande maioria – 5.334 – é formada por docentes contratados segundo o Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa (RDIDP), vulgarmente conhecido como “dedicação exclusiva” à USP. Há, também, os docentes contratados nos regimes de turno parcial (RTP) – 109 –, de turno completo (RTC) – 670 – e os professores contratados, que possuem contratos temporários, e totalizam 79.

Porém, além dos regimes de trabalho e níveis hierárquicos, os servidores e docentes também se distribuem por níveis salariais previstas em seus planos de carreira, como mostram as figuras a seguir.

graf52
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

Como se observa acima, os servidores técnicos e administrativos podem ser divididos por 15 níveis salariais, cada um subdividido em outras faixas, totalizando dezenas de configurações possíveis. A maior parte dos servidores se concentra nos níveis iniciais da carreira, denominados 1, 2 e 3, e uma menor parte ascendeu aos níveis de “topo de carreira”, 4 e 5. Como é de se esperar, tanto a progressão horizontal nas faixas quanto a progressão vertical nos níveis 1 a 5 são acompanhadas por aumentos dos salários. Também se incorpora ao salário a gratificação por tempo de serviço, que corresponde a um percentual salarial incorporado ao salário bruto conforme os anos passam. Entre os docentes, a distribuição em níveis salariais é dada conforme mostra a figura abaixo.

graf51
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

O plano de carreira dos docentes é menos complexo que o dos servidores técnicos e administrativos. Os auxiliares de ensino, assistentes e colaboradores são minoritários. A grande maioria de docentes (mais da metade) se encontra no nível de professor doutor, que é dividido em dois níveis salariais – o inicial agrega mais de 2.000 docentes e o segundo reúne mais de 1.100 deles. O próximo nível hierárquico é o de professor associado, que se divide em três níveis salariais, grupo com quase 2.000 docentes. Finalmente, o grupo dos professores titulares reúne mais de 1.000 docentes e só permite a progressão horizontal, uma vez que já é considerado o “topo da carreira” docente na USP.

Mas as informações demográficas só nos permitem dizer quem está em qual grupo, e quantos eles são. O próximo passo de nosso exercício foi avaliar a distribuição de salários brutos na USP em faixas de mil reais. Tendo em vista que a grande pergunta até agora foi “será que os servidores ganham mais que professores?”, tentamos montar uma espécie de “pirâmide salarial”, no mesmo estilo das pirâmides etárias demográficas, que resultou na figura abaixo (clique na figura para ampliá-la).

graf54
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

Observa-se claramente a disparidade entre os salários de ambas as categorias, consideradas de forma geral. Os servidores, muito mais numerosos (cujo total equivale a aproximadamente três vezes o total de docentes), concentram-se nas faixas iniciais da pirâmide. Aproximadamente 23% dos servidores recebem salários brutos entre R$ 3.001 e R$ 4.000, e mais de 16% recebem entre R$ 6.001 e R$ 7.000. A partir dessa faixa, o número de servidores nas faixas superiores é quase sempre decrescente, embora ainda se observem muitos deles nas faixas mais altas – pudemos observar que, segundo os dados disponíveis, um total de dez servidores recebe entre R$ 19.001 e R$ 21.000 por mês. Por fim, observe-se que há, sim, uma quantidade relevante de servidores em faixas acima de R$ 9.001, onde se concentra a maior parte dos docentes.

Já entre esses últimos, eles ocupam todas as faixas salariais – inclusive a mais alta, de R$ 22.000 ou mais, com uma proporção relativamente significativa. Quase 5% deles recebem entre R$ 4.000 e R$ 5.000, embora esse valor seja baixo em comparação com a média para a categoria, mas esses docentes que recebem R$ 1.000 a R$ 9.000 concentram boa parte daqueles contratados em regimes de turno parcial ou em contratos temporários, motivo pelo qual a remuneração é proporcionalmente reduzida. Ainda assim, a grande maioria recebe R$ 9.001 ou mais. Quase 20% recebem entre R$ 9.001 e R$ 10.000 – faixa em que se concentra a maior parte dos professores doutores, que são a maioria dos docentes. E parcelas muito relevantes se distribuem nas faixas superiores.

Outra forma de apresentar a mesma informação encontra-se na figura abaixo, que traz os mesmos dados, mas permite observar a composição de cada faixa salarial por servidores e docentes, em números absolutos (clique na figura para ampliá-la).

graf59
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

Assim, observamos que os servidores compõem a maior parte do grupo que recebe as faixas iniciais, e sua participação vai decaindo gradativamente até as faixas superiores, cuja maioria é ocupada por docentes. Isso é esperado, tendo em mente a estrutura da universidade. Porém, tendo em mente essa mesma estrutura, é de se chamar atenção o fato de que parcela importante dos servidores encontra-se nas faixas entre R$ 9.001 e R$ 15.000.

Porém, quais são esses servidores, isto é, a que níveis hierárquicos eles pertencem? E quanto aos docentes, quais deles ocupam as faixas superiores? Seriam somente os titulares? E qual é a dimensão da disparidade entre os salários de diferentes níveis hierárquicos, para ambas as categorias? Esse foi o último passo de nosso exercício.

Mas antes de passar a isso, vamos recapitular alguns conceitos importantes de estatística descritiva. Para resumir uma grande quantidade de dados, temos diversas medidas disponíveis que privilegiam um ou outro aspecto de uma distribuição. A primeira medida, que já usamos aqui, é a média: ela aponta a “metade” dos valores observados, somando-se todos eles e dividindo-se pelo número de observações. Por sua vez, a mediana nos mostra a “metade” dos indivíduos, ou seja, metade deles encontra-se acima daquele valor, e a outra metade encontra-se abaixo dele. Os quartis seguem a mesma intuição, e referem-se a cada uma das “metades” indicadas pela mediana: um quarto (25%) dos indivíduos está abaixo do primeiro quartil, um quarto (25%) está acima do terceiro quartil. E os valores máximo e mínimo, como é de se esperar, são respectivamente o maior e o menor valor que encontramos.

Pois bem, feita essa recapitulação, a figura a seguir apresenta a distribuição salarial entre servidores que trabalham em regime integral, que representam 98,7% dos servidores técnicos e administrativos da USP.

Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

Nessa figura, encontramos caixas e linhas. Tomemos a primeira caixa, referente aos servidores de nível básico. A linha inferior termina no valor mínimo: R$ 1.863,60. Esse é o menor salário bruto recebido por um servidor do grupo. Subindo, o limite inferior da caixa corresponde ao primeiro quartil, e nos diz que 25% dos servidores de nível básico recebem até aproximadamente R$ 2.000. Mais acima, a linha entre as partes verde e lilás da caixa nos dá a mediana: 50% dos servidores do grupo recebem menos de R$ 3.286, e os demais recebem mais do que esse valor. O limite superior da caixa nos dá o terceiro quartil: 75% recebem até cerca de R$ 4.000, e os outros 25% recebem mais que isso. Finalmente, a linha superior termina no valor máximo: o maior salário de um servidor de nível básico em junho de 2014 foi de R$ 7869,18. Com isso, já podemos fazer comparações. O grupo de servidores de nível técnico recebe salários melhores que os do grupo anterior – como seria de se esperar, uma vez que estão um nível hierárquico acima deles – apresentando valor mínimo superior a R$ 3.200, mediana de R$ 5.880,30 (ou seja, metade deles recebe até esse valor, e a outra metade recebe mais que isso) e valor máximo de R$ 11.607,07. Já os servidores de nível superior recebem salários muito maiores que os dos grupos anteriores. O menor valor é de R$ 6.366,11, e o maior é de R$ 21.616,66, com uma mediana de R$ 9.384,30. Porém, cabe destacar que os salários muito altos são minoritários, pois 75% do grupo recebem até cerca de R$ 12.000 por mês.

Também avaliamos os salários de docentes seguindo a mesma lógica. A figura abaixo apresenta o exercício para os docentes em RDIDP (“dedicação exclusiva”) em níveis de professor doutor, professor associado e professor titular, que reúnem 86% dos docentes da USP.

Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.
Fonte: Elaborado a partir de Portal da Transparência, USP, 2014.

 

A disparidade entre os níveis hierárquicos dos docentes é muito maior que aquela observada entre os níveis de servidores técnicos e administrativos, considerando as medianas e os primeiros quartis de salários dos três níveis de uma e de outra categoria. Os professores doutores têm entre si grande variabilidade salarial, mas metade deles se concentra entre aproximadamente R$ 9.000 e R$ 10.000, 25% recebem entre R$ 10.000 e R$ 11.074 e o restante recebe salários de até R$ 17.618. Porém, quando se trata de professores associados e titulares, é muito notável a diferença de patamar salarial: a mediana de associados é próxima dos R$ 15.000, e para os titulares esse índice é superior a R$ 20.000. Claramente, os professores doutores seriam os mais prejudicados com a proposta de reajuste salarial zero, comparados com seus colegas de níveis hierárquicos superiores.

Entre os servidores, a variabilidade salarial proporcional no interior de cada nível hierárquico é muito maior do que aquela no interior de cada nível dos docentes, que concentram salários de doutores em patamar muito inferior ao de associados, e concentra todos os titulares em patamar muito superior. Observamos que um grupo minoritário de servidores se encontra no grupo de quem recebe salários maiores que os de professores – sobretudo, entre os de nível superior, em que 25% do subgrupo recebem salários maiores que R$ 12.000.

Como conclusão de nosso exercício, que exigiu a construção de um banco de dados muito volumoso para a produção das figuras apresentadas, descobrimos que a distribuição salarial da USP não é tão simples quanto se poderia pensar. Há muito a ser descoberto sobre os impactos da política salarial da universidade adotada nos últimos anos – um dos principais fatores é o de que a oferta de dados sobre isso é muito limitada. Também consideramos extremamente importante tomar os dados apresentados em seu contexto histórico, à luz da valorização da universidade pública como instrumento de organização e valorização também das categorias que nela trabalham. Mais do que simplesmente constatar que “servidores e docentes da USP ganham muito”, julgamos que a questão-chave está em observar como as diferentes administrações geriram o orçamento como um todo, em que a política salarial é apenas um dos aspectos relevantes. E não se observaram dados sobre a terceirização de serviços como segurança e limpeza, que também têm baixíssimo nível de divulgação e nos parecem ser descentralizadas entre as diferentes unidades da USP – e por isso serão assunto para outro post, assim como será a expansão física da universidade vis-à-vis a evolução de receitas e despesas do órgão. Fiquem ligados!

Anúncios

24 comentários sobre “Gráficos 5: Plano de carreira, evolução das faixas salariais e distribuição salarial atual da USP (junho/2014)

  1. Caros, parabéns pelo site e pelas informações compiladas. Esse trabalho é crucial para discutirmos o futuro da universidade.

    Quanto à variabilidade dos salários dos docentes e a remuneração muito maior de associados e titulares em relação aos doutores, isso se deve, penso, porque estatutariamente a esses níveis são reservados os cargos de chefia e presidência de comissões, remunerados. São exceção os casos de doutores nesses cargos.

    Abs e continuem com o otimo trabalho.

    Caio

    Curtido por 1 pessoa

    • Caio,
      É verdade, os salários maiores para associados e titulares são até esperados, visto que a trajetória para que um docente chegue a esses patamares é mais demorada e eles tenham outras responsabilidades. Obrigado pela dica!

      Curtir

    • Caro Caio e amigos do Blog,

      Na verdade, os dados apresentados estão considerando apenas os “salarios-base” dos servidores e docentes; ou seja, na estimativa não se considerou um conjunto importante de variaveis que constam nos holerites dos trabalhadores da USP as quais impactam em seus valores efetivamente recebidos:

      [I] benefícios sociais (auxílio-transporte, auxílio-creche);
      [II] adicionais (tempo de serviço, noturno, plantão, insalubridade, entre outros);
      [III] verbas de representação (para os cargos de chefia) e
      [IV] deduções ficais (Imposto de Renda e INSS).

      Ou seja, a meu ver, é provável que se fossem consideradas também as remunerações dos cargos de chefia e presidência de comissões (estatutariamente reservados aos titulares), veríamos que a remuneração “líquida” dos titulares é ainda maior em comparação aos associados e doutores.

      Um abraço.

      Rodrigo

      Curtir

  2. Gostaria de colocar uma questão/ fato curioso.
    De acordo com esta apresentação do COP:
    http://www.adusp.org.br/files/database/2014/orc_usp01.pdf
    O salário médio dos servidores (dez/13) é de cerca de R$ 8200,00.
    Os dados apresentados pelo COP no Slide 2 estão corretos, de acordo com o site Transparência USP (Administração e Finanças). Pela tabela “Evolução das Receitas e Despesas da USP – 2013” (http://www.usp.br/codage/files/acomp_orc2013/Tabela%20VII.pdf), em dez/13 o gasto folha de ativos foi de 227 milhões.
    Voltando a apresentação do COP, utilizando os valores de salários médios lá presentes, chegamos ao valor de 227 milhões de reais gastos com folha de pagamento de ativos (multiplicando salários médios pelo número de funcionários/docentes).
    Provavelmente os dados mostrados por vocês sobre o salário dos funcionários/docentes são mais confiáveis, mas fico imaginando como o COP calculou os salários médios. Como os dados do COP batem com o gasto de 227 milhões, uma alternativa seria pensar que o salário médio dos docentes é maior que o apresentado, para que o salário médio dos funcionários possa ser menor do que o apresentado. Olhando por cima os dados que vocês apresentaram, não me parece que seja isso. De acordo com os dados que vocês tabelaram (jul/14), qual é o salário médio dos docentes?
    Outra possibilidade seria que a folha de pagamento contém outros gastos “ocultos”. Mas ainda assim é estranho, pois outros benefícios como 13°, vales, etc. estão explicitamente fora dos 227 milhões.
    Alguma ideia?

    Curtido por 1 pessoa

    • Renan,
      Com base nos dados que coletamos (os links estão no texto), o salário médio dos docentes em RDIDP é de R$ 13.808. Os docentes em RTC têm um salário médio de R$ 5.854, e aqueles em RTP tem salário médio de R$ 2.126. Finalmente, os contratados (temporários) têm salário médio de R$ 1.433. Já entre os servidores, entre os de tempo integral o salário médio é de aproximadamente R$ 5.930, enquanto os de 30 horas por semana recebem em média R$ 4.973 e os de 20 horas por semana recebem em média R$ 3.618.
      Quanto à segunda pergunta, dos gastos com folha de pagamento, nós sabemos que além dos salários e gratificações por tempo de serviço existem também pagamentos por cargo em comissão e/ou chefia, vale-alimentação e refeição, precatórios etc. e outras bonificações que não analisamos, isso sem contar os dados referentes a servidores inativos (aposentados etc.). Nossa fonte de dados foi somente o número de servidores e docentes ativos que se encontra em cada faixa e nível salarial, considerando salários básicos e aumentos por tempo de serviço, com os respectivos valores. Então, para entender o cálculo que você nos mostrou, precisamos fazer a conta “ao contrário” e confrontar os dois resultados… Também é um exercício interessante para um próximo post. Valeu a dica!

      Curtir

      • Obrigado pela resposta. Esqueci no primeiro post, mas parabéns pelo modo que os dados foram apresentados, e pela paciência de tabela-los.

        Eu entendo o que você quis dizer, mas estou tentando entender a discrepância de valores. Sei que as respostas não são diretas pois os dados disponíveis são poucos (também já passei um tempinho nos anuários, no site da Codage, etc).

        Vou abordar o problema de outra maneira.
        1) Em jun/14 foram gastos 234 milhões de reais com a folha de ativos: http://www.usp.br/codage/files/CO_2014/JORNAL_jul-14.pdf
        2) Pelos dados da folha de pagamento que vocês utilizaram (distribuição por categoria, tempo de serviço) temos então:
        5334 docentes RDIDP, SM = R$ 13808
        670 docentes RTC, SM = R$ 5854
        109 docentes RTP, SM = R$ 2126
        79 docentes temp, SM = R$ 1433
        17221 funcionários integral, SM = R$ 5930
        201 funcionários 30 h, SM = R$ 4973
        15 funcionários 20 h, SM = R$ 3618
        3) Fazendo as multiplicações, temos um gasto de 181 milhões de reais.
        4) Ou seja, ainda faltam 53 milhões. De onde eles vem?

        Uma resposta possível é: bonificações por comissão/chefia. Deste modo, 23% do total da folha de ativos corresponde a esta bonificação? Haja comissão hein?

        Curtido por 1 pessoa

      • Oi, Renan,
        É verdade, a soma de todos os valores em junho/2014 chegou mesmo a pouco mais de R$ 181 milhões. Mas lembre-se que os gastos com pessoal também incluem os inativos, que são centenas de salários não contabilizados no nosso post, além de despesas com vale-alimentação, vale-refeição… Vamos dar uma olhada nisso também. Afinal, como você mostrou, a soma é grande!

        Curtir

  3. Legal. Tive muito interesse também em coletar dados confiáveis sobre a crise financeira.
    Se por acaso vocês não conseguirem publicar nada a respeito dos dados que mencionei, pela falta de dados oficiais ou algo do tipo, mas tiverem alguma ideia ou especulação, por favor compartilhem comigo (FB, Twitter…) hehe
    E só uma última coisa, eu estou levando em consideração sim os gastos com inativos, vales, décimo terceiro, precatórios. Se levarmos tudo isso em conta, o valor sobe de 234 milhões para 387 milhões.
    Abraços

    Curtir

  4. Bom dia. Muito bom o trabalho. Parabéns.
    Fiquei, contudo, em dúvida num ponto: servidores não trabalham sob o regime de dedicação exclusiva, não? Se não trabalham assim, então a comparação não é muito correta. O estatuto do servidor da usp (artigo 102 A), diz que servidores em RDE recebem gratificação de 40% sobre o respectivo padrão de salários. Bom, isso significa que, sem DE, um prof. Dr. nivel 3.1 recebe em torno de 6.500,00, para um período integral. A fatia de servidorea não docentes acima disso é enorme.

    Curtir

    • Caro Norton,
      Obrigado pelo reconhecimento!
      Quanto à sua dúvida, nós esclarecemos que trabalhamos com o número absoluto de servidores técnicos e administrativos (sem diferenciar estatutários e celetistas, pois a fonte desses dados em específico não incluía essa distinção), diferenciando-os apenas em termos de jornada de trabalho integral ou parcial, e depois por nível (básico, técnico e superior). Quanto aos docentes, diferenciamos em termos de regime contratual (dedicação exclusiva, turno completo, turno parcial ou contratados) e também em nível (auxiliar de ensino, assistente, doutor, associado, titular e colaborador).
      Outra informação importante é a de que trabalhamos somente com salários brutos. Portanto, quando encontramos 15% de servidores técnicos e administrativos com salários brutos superiores aos de doutores ingressantes, esses 15% estão entre o total de servidores técnicos e administrativos, não a um subgrupo específico deles, e isso está somente em termos de salário bruto.
      Talvez também pudéssemos fazer essa comparação diferenciando servidores e docentes por tempo de serviço, ou comparando-os com profissionais de mesmo perfil de escolaridade e função que trabalham fora da USP. Esses são exercícios que poderemos fazer no futuro, quando tivermos mais dados à disposição (por exemplo, o tempo de serviço desses servidores – algo a que não tivemos acesso até este momento).
      Novamente, obrigado e seja bem-vindo!

      Curtir

  5. Primeiramente, obrigado pelo trabalho de vocês.

    Uma informação que entendo ser útil na comparação seria a da parcela de servidores técnicos e administrativos que ganham igual ou superior ao professor doutor de início de carreira possuem também doutorado ou, pelo menos, mestrado ou especialização. Sem considerar todos os outros aspectos importantes, há que se considerar a formação de ambas as categorias: ou seja, se um servidor técnico administrativo também possui doutorado, parece-me muito razoável que ele tenha o salário equivalente ao de um professor doutor; se ele é mestre ou especialista, a comparação já mudaria. Mas apenas colocá-los todos a categoria “superior” de forma simples significa em média seis anos a menos de formação que os professores doutores; embora haja outras formas de formação adicional da carreira técnico administrativa, claro. Imagino que essa informação não esteja disponível facilmente, mas se estivesse, seria útil na comparação, não?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s